Spin-Off: Lugar Nenhum

Olá,

 

Durante o ano de 2013, um amigo meu, o Vlad, veio me encomendar um cenário para um RPG de fórum que ele pretendia abrir. Como eu estava com tempo livre na época, eu decidi aceitar. Ao longo do restante do ano, o projeto sofreu inúmeras alterações, principalmente com minha saída de consultor e autor do cenário para membro da staff e a entrada da Pandy e da Saara no staff, tornando-se o que vim a chamar de Lugar Nenhum, em homenagem e referência ao livro do Neil Gaiman, autor do qual eu sou muito fã como perceberão futuramente. Em 2014 fizemos o playteste com o material criado em um fórum secreto, com jogadores convidados pelos membros do staff. A idéia era realizar o playteste para ver as coerências e incoerências do sistema, do cenário e do estilo de administração de fórum que ia ser adotado, para abrir posteriormente, com uma política de atualizações inserindo novas mecânicas e novos elementos de cenários de tempos em tempos como ocorre nos jogos eletrônicos. Infelizmente a Adultessência veio cobrar seu preço e o projeto acabou sendo engavetado com planos de futuramente tornar-se um módulo básico de RPG em pdf disponibilizado gratuitamente na internet.

Continue lendo

Vamos falar sobre Fantasia Urbana?

a-mans-fantasyHá algum tempo, participei de uma palestra sobre os tipos de fantasia presentes nos cenários de RPG, e como o RPG bebe diretamente da fonte da literatura, é comum que esses dois gêneros dividam características. Uma delas é a utilização de nomenclaturas, então durante a palestra tivemos discussões sobre os conceitos de baixa fantasia, alta fantasia, etc. Mas o embate real começou quando citaram o nome fantasia urbana.

Vamos procurar entender uma parte da discussão, segundo minha visão de mundo (olha a audácia do cavalo, Valdeci!). Alguns compreendem como fantasia urbana aquelas histórias que tenham elementos ficcionais ocorrendo dentro de um agrupamento humano estabelecido, que dentro de certo limite matemático, possamos chamar de cidade. Isso coloca a fantasia urbana presente em todos os períodos históricos a partir da velha babilônia, pois em todos os tempos houve agrupamentos humanos fixos próximos a cursos de rios ou grandes depósitos de água. Prego batido, ponta virada?

Ehh… Não.

Essa ideia tem um problema: haviam agrupamentos humanos que se enquadravam no momento matemático, mas não no que possamos chamar de cidade propriamente dita, como por exemplo, entrepostos comerciais, acampamentos militares, zonas de peregrinação religiosa… Alguns desses exemplos mantinham um índice demográfico constante com uma população variável. Era possível a presença de residentes fixos, mas não era condição de existência.

O que nos coloca na segunda ideia: O ponto temporal. Algumas pessoas podem dizer que uma cidade pode ter existido apenas em um determinado momento e algumas pessoas podem até mesmo apontar como exemplo o festival de Woodstock…

Novamente… Não.

Esse exemplo temporal é falho por vários motivos, um deles, o mais frágil e mais incisivo de todos é que por mais romântico que possa ser, o tempo só se move em uma direção. Para que um conglomerado humano exista, tem que haver um ponto de partida, alguma coisa que dispare a necessidade de proximidade, um desenvolvimento e um ponto final; assim funciona a entropia das coisas. E antes de tudo, o dito festival tinha o apoio de uma cidade pequena que sofreu terrivelmente com o mesmo.

Outro ponto defendido por alguns, é simplesmente o fato de que a fantasia urbana estava ligada diretamente ao conceito de cidade. Essa “falha” pode ser devida à terminologia derivada da palavra urbano, que vem de urbs e que significa tudo relacionado à cidade, mas assim como outras palavras, a palavra urbano também evoluiu e tem agora um significado mais complexo e mais aprimorado: Urbano é tudo aquilo que está relacionado com a vida na cidade e com os indivíduos que nela habitam, por oposição a rural, que é relativo ao campo e ao interior.

O meio urbano tem características específicas que contrastam com o meio rural, como densidade populacional, infraestrutura moderna (vias públicas, transportes, escolas, hospitais, etc.), áreas residenciais, comerciais e industriais, opções de lazer e entretenimento, ofertas culturais, hábitos particulares de vida e a azáfama própria das cidades.

O modo de vida urbano também é marcado pela agitação, stress, alimentação baseada em fast-food e alguns problemas socioculturais como criminalidade, conflitos raciais, pobreza, desemprego, entre outros.

Essa evolução no conceito restringe significativamente o que nos podemos chamar de fantasia urbana, mesmo que a presença das cidades seja um fato de longa data, os elementos que moldam uma cidade como um nicho urbano só se tornam visíveis a partir do século XIX. Isso quer dizer que antes disso é paradoxal falarmos em fantasia urbana pelo simples fato de que não havia essa característica antes do citado século.

Enfim, são apenas meus argumentos; se você acha que deve ser acrescentado ou retirado algo, comente!

Medievo: RPG na Baixa Idade Média

Medievo-Capa-P&B…e sem mais delongas, aqui está Medievo, um projeto de RPG de Raphael Lima, que aborda a forma tradicional de RPG (fantasia), mas com um toque de historicidade. Ambientado na Baixa Idade Média, o período histórico que antecede o Renascimento e que os jogadores vão descobrir como uma ponte entre um mundo repleto de mudanças, perigos, surgimento de novas sociedades, rotas de comércio, inimigos e aventuras. Medievo se passa no mundo que nós conhecemos, mas com apenas uma pitada de sobrenatural, onde boa parte dos mitos e lendas que conhecemos são reais — embora não exatamente como os conhecemos. Suas regras usam uma mecânica narrativa, que torna fácil a construção de personagens e a narrativa. Cliquem na imagem para baixar a versão fastplay de Medievo e aqui para baixar algumas fichas de personagens prontos. Ah, quer uma ficha em branco? Clique aqui.

O Mundo de Malastare

Revirando a caixa de escritos para RPG do passado, encontro este texto que escrevi em meados de 2003, com forte influência judaico-cristã, sobre um mundo que criei, e utilizei em minhas campanhas em Dungeons & Dragons 3ª Edição. Eram outras épocas e achei melhor não mudar o espirito do texto e manter a ideia de quando foi escrito na década passada. Mas hoje, com mais experiência e leitura do que a adolescência, eu penso em retomar o projeto — embora deseje deixar como está, pois ler esse texto traz uma boa sensação de nostalgia.

O Mundo de Malastare

Ilustração: Marcos Guerra

Mito de Criação de Malastare

No início tudo era uma imensa vastidão vazia e com trevas.

E no imenso vazio de trevas habitava Anu, uma imensa serpente primordial que era macho e fêmea ao mesmo tempo. E essa serpente, após anos de vivência sob as trevas, se dividiu em três partes: En-lil, os céus; En-kir, os mundos inferiores e Eanna, a terra; produz o universo, os mares, os montes, os rios e depois uni-se aos céus e gera o seu filho, Seto, o espírito do fogo.  E o fogo lançou luz sobre o planeta e assim se fez, luz ao dia e a escuridão à noite e tenham luzes ao céu, para fazer a separação entre dia e noite e sejam eles sinais para as estações, dias e anos. Assim surgiram dois grandes luzeiros; o maior para dominar o dia, e o menor para dominar a noite e também fez outros pequenos luzeiros para iluminarem a noite. Assim nascia Malastare, que era ao mesmo tempo a terra onde viveriam os seres que viriam posteriormente e o grande Deus Anu.

E o espírito do fogo criou os espíritos regentes de Malastare; Erakris, o espírito da terra; Nemk, o espírito dos ventos, que afastou as trevas de Malastare; Atíris, o espírito da água; e Hedra, espírito da vida. Após criar os espíritos regentes, Seto decidira criar os seres viventes, aqueles que deveriam habitar o belo mundo que Anu criou. Mas o primeiro ser vivente de Malastare nasceu do amor de Erakris e Hedra; Inana, a Elfa, o primeiro ser gerado para viver em Malastare, aquela que deveria desfrutar da criação de Anu; Inana era bela, a mais bela de todas que viriam a nascer, ela era graciosa e humilde, adorava a liberdade, as coisas belas da natureza e os sentimentos nobres; ela era o equilíbrio entre o bem e o mal. Assim, a mando de Seto, Erakris fez brotar a grande árvore de Yudin, e dos galhos da árvore-mãe nasceram os primeiros Elfos.

Mas após algumas eras imortais, alguns Elfos se mostraram egoístas e ambiciosos, em particular um deles, Écran. Ele começou a demonstrar sentimentos egoístas e reprovativos por parte dos espíritos e questionava a autoridade de Inana perante os elfos. Então ele começou a elaborar um plano para destronar a rainha e assumir seu lugar, mas os espíritos não permitiram e Seto teve que intervir pela segurança da rainha. Então Seto condenou Écran a viver nas profundezas do mundo inferior, como guardião dos portões dos doze infernos, para onde iriam todos que atentassem contra a ordem e a moral. Hedra não ignorou os seus filhos, e tentou varias vezes recorrer a Seto sobre sua decisão, mas seus apelos sempre foram ignorados. Tomada pela fúria, Hedra corrompeu os Elfos fiéis a Écran e os colocou contra os espíritos. E com o passar dos tempos esses Elfos foram perdendo a beleza e a arte da criação dos espíritos e aos poucos se tornaram em criaturas horrendas, que só tinham ódio no coração — aos qual Hedra chamou de Orcs. Tais criaturas se reproduziam rapidamente e se espalharam pelo grande continente. Os espíritos observaram a conduta amoral de Hedra e decidiram tomar uma medida contra o mal que crescia em seu mundo. Então Seto, a assassina, partindo seu corpo em dois pedaços, declara todo o mal destruído, mas Erakris, ao ver sua amada morta, decide ressuscitá-la e enviá-la ao mundo inferior para que ela possa viver sua pós-vida longe de Seto, pois nenhum dos espíritos pode descer ao mundo inferior. Ao chegar ao mundo inferior, Hedra teve seus poderes de vida transformados em dons da morte, então ela cede parte dos seus poderes a Écran e o transforma em senhor dos mundos inferiores e assim ela passou a ser o espírito dos mundos inferiores, local de onde ela jamais poderá sair e encontrar seu amado. A partir dos últimos fatos, Seto designou Nemk como guardião da entrada terrena do mundo inferior, que se localiza na ilha de Amonrray.

Assim, os espíritos regentes decidem criar novos seres viventes para a terra. O espírito do fogo disse “façamos o homem, para que ele desfrute das belezas e riquezas”. Então Seto ordena que cada espírito crie os seres competentes ao seu elemento e mais uma raça que deva viver em harmonia com os Elfos, mas que esses sejam imperfeitos, pois a perfeição de Anu só foi cedida aos Elfos e que essas novos seres respeitem a Inana, como rainha única de Malastare. Então Atíris criou os seres aquáticos que habitariam os lagos, rios e oceanos; Seto criou os homens, criaturas com pouca expectativa de vida mais com uma extraordinária coragem, que muitos acreditam ser herança de Seto e que será determinante em grandes momentos históricos de Malastare; Erakris criou os anões, seres com grande resistência e com um dom incomum para as artes com metais e gemas preciosas e lhe deu as montanhas como lar e também criou os pequenos e grandes animais terrestres; Nemk criou as aves e os homens do sul, que eram diferentes dos homens criados por Seto apenas por sua ampla sabedoria; Seto da chama da liberdade criou os filhos de Seto, os Eridus, que preparariam os homens que deveriam viver longe da ambição dos antigos. os Eridus guiaram e protegeram os homens até a formação das primeiras sociedades humanas, e após isto, os Eridus jamais foram vistos novamente. Muitos acreditam que eles terminaram sua tarefa e retornaram a Seto.

É nesse mito cosmogônico — que tem algo de incomum, pois é aceito por todas as civilizações, de Elfos a Orcs — que se inicia a história de Malastare.

A Sombra da Lua – Cronologia de campanha

Vale morgulPessoal, mais sequências de cronologias de campanhas na Terra Média (Véi, como eu amo isso). Agora eu encerro a trilogia que teve início com a crônica Arvedui, o último Rei, e que já foi relatada aqui no Mundos Colidem. Essa campanha segue até Gondor, onde os aventureiros foram avisar ao rei de um ataque a Minas Ithil, que posteriormente seria conhecida por Minas Morgul.

Crônica: A Sombra da Lua
Sistema: CODA
Duração: 2009 a 2012
Personagens: Ithron Anor (mágico dunadán), e Beleghûn Forod (mestre de sabedoria dunadán).

 

 

Cronologia A Sombra da Lua

Capitulo 1: O Anoitecer

1999 TE

16/11: Gilrhûn está grávida, Ithron está em dúvidas sobre ir ao encontro de Beleghûn.

17/11: Ithron conversa com Camlost.

18/11: Visita de Radagast e Gandalf (conversam sobre Celebeth).

19/11: Ithron conversa com Gilrhûn e Adan.

25/11: Partida de Ithron, Camlost, Gandalf e Radagast. Ínicio da caçada a Celebeth.

06/12: Ithron e Camlost são atacados nas montanhas sombrias, por Celebeth. Ithron desaparece nas montanhas, Camlost escapa de Celebeth.

2000 TE

05/12: Conferência dos capitães de Ithil, com o princípe. Chegada de Sellithil à Torre da lua.

06/12: Chegada dos batedores, e partida de Banazîr e Sellithil.

07/12: Chegada de Alin, o mensageiro de Mordor.

08/12: Ataque dos orientais a Torre da Lua, Beleghûn vence o capitão, mas se feriu gravemente. O exercito de Ithil vence os orientais.

09/12: Orcs e Trolls atacam a Torre da Lua, muitos Gondorianos são mortos.

10/12: Beleghûn acorda. Conversa com Barahir, o sábio. Reunião com o Princípe Earnür e o capitão Thartalion. Chegada dos batedores, um novo ataque se aproxima.

15/12: Chegada do exército do leste comandado por Remmirath, conferência dos capitães aos portões de Minas Ithil.

Capítulo 2: A Alvorada de Esperança sobre Camlost e Adan

2000 TE

8/1: Camlost retorna para Tharbad, com a noticia do desaparecimento de Ithron.

27/1: Camlost e Adan partem para Bree.

3/2: Chegada a Bree, ambos se juntam aos guardiões do norte.

30/3: Encontro com Aranarth.

29/4: Aniversário de Beleghûn.

27/6: Aniversário de Adan.

14/7: Nascem os gêmeos Valandil e Nienna, filhos de Ithron.

18/8: Gilrhûn entrega os gêmeos a Oddo, É encontra Adam, depois parte.

23/8: Gilrhûn é encontrada morta nos arredores de Bri.

23/9: Camlost e Adan partem de Bree, em caçada a Celebeth nas montanhas sombrias.

5/12: Chegada ao passo do chifre vermelho.

10/12: Chegada de Camlost e Adan a Lórien. Os elfos os encontram nas fronteiras, e recebem notícias de Beleghûn e Banazîr.

Sobre Banazîr

2000 TE

6/12: 1 ano do desaparecimento de Ithron. Banazîr partem de Minas Ithil na alvorada, acompanhado de Sellithil.

7/12: Chegada a Minas Anor, Banazîr Envia mensagem a Lórien.

8/12: Banazîr parte de Anor em direção ao norte.

11/12: Encontro entre Banazîr e Haldir de Lórien, próximo as cachoeiras de Rauros.

Sobre Beleghûn, Banazîr e o destino da Torre da Lua

2000 TE

15/12: O exército do leste comandado por Remmirath, ataca a Torre da Lua. Thartalion é gravemente ferido, os homens de Gondor recuam e se escondem nas muralhas, os inimigos iniciam um cerco.

16/12: Na alvorada, Banazîr e os elfos chegam a auxílio aos homens, o príncipe Earnür, sai em ataque da torre e vencem os orientais. Banazîr traz notícias de Ithron para Beleghûn.

Capítulo 3: Velhos Amigos e Velhas Conversas

 2000 TE

16/12: Beleghûn, acorda por volta do meio dia, ainda bastante cansado da noite anterior, o mesmo sai até o pátio e descobre que agora neva, e encontra Haldir (elfo de Lórien), eles conversam sobre Ithron, Adan e Camlost. Banazîr chega e entra na conversa, Após o princípe Earnür tambem se junta a o dialogo, e Haldir parte. Após saida do princípe, Barahir chega, e convence os homens do norte a aconselhar o herdeiro do trono de Gondor, a partir para Minas Anor em busca de reforços. Após conversa com o herdeiro, o mesmo nomeia Beleghûn como Comandante, até a recuperação de Thartalion, e Banazîr como o conselheiro.

17/12: O princípe parte com Barahir e a sua guarda, após a partida Banazîr se desfaz das suas funções e nomeia Túrin de Dol Amroth (Aranarth) para a função de Conselheiro. O Sábio mão certeira parte de Minas Ithil. Ithron é resgatado pelos Elfos de Lórien, nas montanhas sombrias.

Capítulo 4: Velhos Amigos e Velhas Conversas (Parte 2)

 2000 TE

19/12: Conversa entre Beleghûn e Túrin de Dol Amroth (Aranarth) sobre a real situação do cerco a Minas Ithil (localização das tropas inimigas, as tropas inimigas, o passo de Cirith Ungol, os caminhos que levam a torre da lua, a disposição dos batedores, o animo dos exercitos aliados, os recursos disponivéis e o Palantir de Ithil). Ithron chegou a Lórien, e encontrou Ithron.

Capítulo 5: Sozinhos na Escuridão

 2000 TE

24/12: Chegada de Camlost e Adam (filho de Ithron) a Minas Ithil. Conversa de Beleghûn com Thartalion. A nevasca se dissipa. Beleghûn, Turin (Aranarth), Adam, Camlost e 50 homens sobem ao passo de Cirith Ungol. Encontram um sinete dos reis dos bruxos de Angmar.

25/12: Observam a movimentação do inimigo em Cirith Ungol. Camlost e Adam ficam como Batedores no passo. Beleghûn e Turin (Aranarth) retornam para Minas Ithil.

Capítulo 6: O Guerreiro da Espada Negra (Parte 1)

2000TE

31/12: Banquete de final de ano, chegam as primeiras notícias do passo de Cirith Ungol, e da defesa comandada por Camlost.

2001TE

01/01: Ataque dos exércitos do leste as primeiras horas da manhã. Bacihr (o warg de duas cabeças) é usado no combate, ele fere gravemente Túrin (Aranarth), e Beleghûn o mata, nas primeiras horas da manhã, e o capitão de Ithil em exercicio, parte em auxilio a os homens no passo. Beleghûn chega ao passo com o auxilio, e ajuda a Camlost, a vencer os inimigos. O mão vazia, assume a responsabilidade por proteger o passo, e os homens o chamam de o “espada negra”. Ao cair da noite, o príncipe passa por Ithil, em direção ao sul para guarnecer a fronteira. Os homens de Ithil questionam a finalidade da defesa da torre.

Capítulo 7: O Guerreiro da Espada Negra (Parte 2)

 2001 TE

8/1: Conversa entre Belghûn e Turin (recursos escassos, e Beleghûn pensa em retirada). Beleghûn envia carta ao rei por Aranarth. Camlost vai até minas Ithil, para conferência com Beleghûn.

10/1: Aranarth chega a Gondor: encontro com o regente Mardil, e entrega da carta. Aranarth vai a casa de Selithil, e Tarondor (filho de Beleghûn).

11/1: Aranarth recebe resposta do Rei.

13/1: Aranarth retorna de Gondor, com noticias (Tarondor e mais recursos). Chega carta de Banazîr a Beleghûn, ele responde, e a resposta e interceptada.

15/1: Os batedores são atacados. Celebeth descobre que é Camlost quem está comandando a defesa do passo de Cirith Ungol. Beleghûn prepara o exercito de Ithil para um ataque. Banazîr e Ithron partem de Lórien.

Capítulo 8: O Traidor

2001 TE

16/01: Galdor retorna sozinho e gravemente ferido do ataque feito aos batedores. Ao fim do dia parte uma nova comitiva de batedores comandada por Tarkan (tenente) e Ingold.

17/01: Camlost tem nova conferência com Beleghûn, sobre a situação do passo de Cirith Ungol.

18/01: Os batedores retornam. Alguns homens adoecem, o responsável pela enfermaria o sábio Hallas, atribui a doença a fonte de água. Beleghûn reposiciona os batedores.

21/01: Após testes Hallas chega a conclusão que o suprimento de água de Ithil está envenenado. Celebeth parte de Mordor para o norte. O mensageiro do Príncipe chega com a notícia da derrota no sul.

25/01: Beleghûn envia Ingold como mensageiro para o rei de Gondor.

Capítulo 9: Entre a Espada e a Neve

2001 TE

30/01: O príncipe retorna para Ithil, após a derrota no sul. A cabeça de Ingold é jogado em Minas Ithil, por uma ave. Beleghûn e enviado para o passo de Cirith Ungol.

01/02: Batedores são encontrados nos arredores do Passo do Cirith Ungol.

03/02: Ithron e Banazîr chegam a Minas Ithil, com mais 150 homens.

04/02: Ithron sobe o passo com Beleghûn, e reencontram Adam.

Capítulo 10: A Queda do Mão Vazia

2001 TE

05/02: Um grande exercito se chega a Ithil nas primeiras horas do dia; os soldados do passo logo avistam a chegada, e depois são atacados de surpresa por Lobisomens vindos de Cirith Ungol.210 homens morreram no passo. As batalhas terminam no passo, mas ainda duram em Ithil. Morre Camlost filho de Menelmacar.Adan assume Angmorn.

08/02: Termina a batalha em Ithil, os homens vencem, mas as perdas são inúmeras.

10/02: Adan desce o passo para falar com o capitão de Ithil.

11/02: Retorno de Adan ao passo.

15/02: Banazîr conversa com Turin, regente de Gondor.

17/02: Banazîr tem audiência com o rei.

18/02: Banazîr parte de Minas de Anor.

01/03: Termina o Inverno.

04/03: Aniversário de Ithron. Beleghûn, Ithron e Adan estão no passo.

11/03: Chegam às tropas com os suprimentos enviadas pelo Rei, com a ordem do retorno do príncipe a Gondor. O príncipe não retorna. Banazîr chega a Lórien.

29/04: Aniversário de Beleghûn, Ele recebe a primeira carta de Selethil.

27/06: Aniversário de Adan.

14/07: Aniversário dos gêmeos de Ithron. Apartir desse dia o cerco se fecha, não há mais nenhuma comunicação com Minas Anor, todos os batedores e mensageiros são mortos a partir desse dia.

09/09: Ithron e Beleghûn são intimados a ficar em Minas Ithil, Thartalion assume a defesa do passo.

02/10: Mensagens de pedido de rendição chegam diariamente a Minas Ithil. Acompanhadas de desafios ao príncipe.

21/10: O grande exercito de Mordor começa a marchar em direção a Ithil.

15/11: Os primeiros mensageiros chegam a Minas Ithil, e solicitam a entrega da fortaleza.

23/11: Inicia-se o grande o cerco a Minas Ithil.

03/12: O último mensageiro de Mordor solicita rendição os exércitos de Minas Ithil. Beleghûn e Ithron estão em Ithil, impossibilitados de sair.

31/12: Mesmo com o cerco, o príncipe oferece o jantar de ano novo. Banazîr não consegue reforços e parte sozinho com um pequeno contiguente de guardiões do norte. Aranarth fica em Valfenda, a conselho de Banazîr e Elrond.

2002 TE

03/01: Os exércitos de Mordor chegam a sua totalidade a Minas Ithil.

Capítulo 11: O Crepúsculo dos Heróis

2002 TE

04/01: Inicia-se os ataques.

05/01: A defesa de Minas Ithil sofre fortes baixas. Ithron consegue 12 horas de trégua, o Príncipe Earnïr foge com Ithron, e a sua guarda pessoal. Beleghûn, Thartalion e Adan, ficam para comandar a última defesa de Ithil.

06/01: Nas primeiras horas, Beleghûn morre pelas mãos de um Nazgûl, junto com os seus companheiros. Minas Ithil e tomada, e apartir desse momento passa a ser conhecida como Minas Morgul, a torre da bruxaria. Ao anoitecer Ithron chega em Minas Anor, e relata os acontecimentos, e a cidade passa a ser conhecida como Minas Tirith. Ithron vai ao encontro de Banazîr, e ambos decidem partir.

07/01: Ao saber da morte de Beleghûn, Selithil entrega o seu filho aos cuidados de Ithron e se suicida.

20/01: Ithron, Banazîr e Tarondor partem de Minas Tirith.

04/03: Chegada dos viajantes a Bree, Finalmente Ithron retorna para casa, e pode encontrar os gêmeos: Valandil e Nieena.

 

Assim cessaram as aventuras de Ithron e Beleghûn, que foram os mais valorosos dunedains do Norte em seu tempo, e por longos anos os seus feitos foram contados em relatos que o próprio Aragorn citou desta história quando retomou Minas Ithil.

Soron-Hên, o Anel da Visão – Cronologia de campanha

sda

E aí pessoal? Estou voltando com mais uma cronologia das campanhas narradas em tempos passados na Terra Média. A crônica tem como base os eventos que se seguem após a queda do reino de Arthedain, onde os heróis são envolvidos indiretamente nos fatos canônicos de Eriador, e se confrontam com Celebeth, um traidor da casa de Arthedain.

 Crônica: Soron-Hên, o Anel da Visão
Sistema: CODA
Duração: 2008 a 2009

Personagens: Banazîr Sinyë (mestre de sabedoria dunadán), Ithron Anor (mágico dunadán), Maethor Megilfein (guerreiro dunadán), Beleghûn Forod (mestre de sabedoria dunadán) e Hiril Cúran (nobre dunadán).

 

Cronologia Histórica

  • 1976 TE: Aranarth recebe o titulo de líder do Dúnedain. As heranças de Arnor são confiadas a custodia de Elrond.
  • 1977 TE: Frumgar conduz os éothéod para o norte.
  • 1979 TE: Bucca do pântano se torna o primeiro Thain do condado.
  • 1980 TE: O Rei dos bruxos vem para Mordor e ali reúne os Nazgûl. Um balrog aparece em Moria e mata Durin VI.
  • 1981 TE: Assassinado Náin I. Os anões fogem de Moria. Muitos dos elfos da floresta de Lórien fogem para o sul. Desaparece Amroth e Ninrondel.
  • 1999 TE: Thráin I vem para Erebor e funda um reino de anões “sob-a-montanha”.
  • 2000 TE: Os Nazgûl saem de Mordor e sitiam Minas Ithil.
  • 2002 TE: Queda de Minas Ithil, posteriormente conhecida como Minas Morgul. O Palantír e capturado.

Personagens históricos: Aranarth (o Rei no exílio), Elrond (senhor de Valfenda), Glorfindel (líder da casa da flor dourada de Gondolin), Radagast, o mago castanho; Mithrandir, o mago cinzento (Gandalf), Thranduil (Rei dos elfos da floresta das trevas), Legolas (filho de Thranduil).

Cronologia

1976 TE: Junho

15- Chegada dos Anões a Bri. Encontro com Banazîr nas primeiras horas do dia. E a partida para as montanhas Azuis.

17- Encontro com Radagast, o castanho. Banazîr descobre que Celebeth está partindo para o leste.

18- O mago castanho parte ao amanhecer, dizendo que aguardará Banazîr na Carrocha.

20- Chegada à ponte do Brandevin.

26- O grupo chega ao fim do Condado e sai da estrada na direção norte.

28- O grupo é atacado por um pequeno grupo de Orcs[1] nas proximidades do rio Lûn. Mas consegue escapar.

29- Durante o dia o grupo consegue fazer uma emboscada para os Orcs, evitando uma futura perseguição durante a noite.

30- Os viajantes chegam até um dos afluentes do rio Lûn, e descansa na macieira. Banazîr fala sobre o velho anão que vive nas colinas, e Frerin o reconhece como um parente distante.

1976 TE: Julho

3- Banazîr e os anões chegam às montanhas azuis, e toma o salão principal, Frerin recupera o Elmo-do-rei[2]. Banazîr recebe um presente do rei, e é convidado a ficar nas minas.

1976 TE: Setembro[3]

27- Morte de Adangil, mestre de Ithron.

1976 TE: Outubro

1- Ithron coloca a barca funerária do seu mestre no Brandevin. Encontro do mágico com Radagast, que o envia para procurar Banazîr. Hiril encontra-se com Aranarth[4] no crepúsculo, o rei no exílio fala sobre os rumores de cativos em Angmar. Ela se disfarça e parti a procurar de Banazîr.

2- Nas primeiras horas do dia Ithron se encontra com os elfos. Hiril encontra Camlost (Telumehtar) nas colinas dos túmulos. Ele a salva de uma criatura tumular, e depois os dois partem para o norte.

5- Hiril e Camlost encontram Maethor e Garafglân nas proximidades de Fornost. Devido aos trajes da nobre ambos não a reconhecem.

6- Maethor e Garafglán chegam a Bri e descobrem que a jovem acompanhante de Camlost é Hiril, procuram a ajuda de Meneldir. Oddo envia uma mensagem para Banazîr, o informando sobre a fuga de Hiril.

7- Maethor e Garafglán partem de Bri em busca de Hiril, Maethor promete a Meneldir que só retornará com Hiril.

8- Ithron chega às colinas da torres.

14- O mágico é atacado por Orcs, seu cavalo é ferido, mas os anões das montanhas azuis o salvam. Ithron é levado para as minas, e encontra Banazîr. O sábio mão certeira tem uma visão de uma torre branca em chamas.

18- Hiril e Camlost chegam até os limites de Angmar, ao amanhecer, e depois seguem pelo norte. Maethor e Garafglán chegam aos limites no inicio da tarde, o guardião lê a Estela de Angmar, e depois eles partem para o leste.

20- Banazîr descobre que a torre de sua visão é Minas Ithil, ele procura Frerin e Ithron, e decide partir na alvorada de dois dias. Ainda pela manhã, a mensagem de Oddo chega até Banazîr e Ithron, os dois decidem partir atrás de Hiril, os sábios decidem partir pelo norte, pois o caminho é mais curto, e Banazîr deseja rever o velho Madbung. Maethor e Garafglán encontram Hiril e Camlost.

21- Banazîr e Ithron encontram Ohtar nas proximidades das montanhas azuis. Hiril, Camlost, Maethor e Garafglân são emboscados por Orcs; Camlost consegue escapar, Maethor e Hiril foram feitos prisioneiros, e Garafglán é morto.

23- Hiril e Maethor acordam no acampamento Orc, e Celebeth os recepciona e presenteia Hiril com uma corrente de ouro com um pingente do mesmo metal[5].

24- Banazîr e Ithron chegam a Forochel e descobrem que Celebeth procurou Madbung nos últimos meses.

25- Saída de Forochel.

1976 TE: Novembro[6]

1- Chegada de Banazîr e Ithron as colinas do vesperturvo. Eles encontram os restos mortais de Ventos Cortantes, e os sepultam, junto com os fragmentos de suas espadas.

2- Partida das colinas do vesperturvo.

17- Passagem por Bri, os viajantes encontram-se com o sábio Beleghûn, que após receber as notícias que Banazîr portava, decide acompanhá-lo. Chegada à casa de Ithron. Celebeth enfeitiça Hiril e lhe dar o Soron-hén, e manda os Orcs deixá-la na extremidade leste das montanhas sombrias.

18- Encontro com Camlost, que os dar notícias sobre Hiril e Maethor.

21- Chegada à ponte do Frontegris. Encontro de Banazîr com Glorfindel. Ao fim da tarde encontro do grupo com Aranarth. Ithron e Beleghûn decidem partir para a Carrocha ao encontro de Radagast. Banazîr retorna para Bri, para mobilizar o resgate de Hiril. O grupo inicia a travessia do passo alto à noite.

23- Chegada a Carrocha e o encontro com Radagast, o pardo. O grupo adentra a floresta das trevas, é atacado pelas aranhas, um grupo de homens comandados por Mertis, os ajudam.

25- Partida de Radagast na floresta. Os caminhantes ficam sozinhos seguindo a trilha.

1976 TE: Dezembro

1- Retorno de Radagast, nas proximidades do rio Encantado. Ataque dos Orcs, Ithron e Beleghûn capturados, Radagast escapa.

2- Ithron e Beleghûn escapam dos Orcs.

4- Chegada aos Salões o rei Tranduil. Reencontro com Radagast, e recepção com o rei Elfíco. Tem inicio a estada dos viajantes no reino élfico.

7- Apresentação de Daeron, o menestrel na Praça do Reino da Floresta das Trevas.

1977 TE: Janeiro

3- Banquete com o rei élfico, e a explanação da viagem para o leste. Primeiro encontro de Celebeth e Gilrhûn.

4- Partida dos Salões Elfícos, viagem para Dorwinion de barco, Ithron, Beleghûn, Maura (o comerciante) e Rúmil (o elfo).

5- O grupo é atacado por Orcs nas primeiras horas do dia, Beleghûn é ferido.

8- O grupo é emboscado no rio corrente, na altura onde o mesmo volta a cortar a Floresta das Trevas; Rúmil é morto, Ithron desaparece nas águas, Beleghûn e novamente ferido, mas consegue escapar com Maura (que perdeu uma parte do braço), o comerciante.

9- Ithron acorda na margem oeste e parte para o sul. Beleghûn na margem leste parte com Maura para a mesma direção.

12- Ithron encontra Gilrhûn, em acampamento destruído pelos Orcs.

14- Ithron e a jovem, encontram um acampamento nômade. E conhece Hortus, líder da comitiva.

15- Beleghûn e Maura desmaiam na grande planície do leste. Partida de Ithron e Gilrhûn da comitiva recebem Vendaval[7] de presente.

17- Beleghûn e Maura são encontrados e levados para a grande caravana de mercadores, esta comandada por Melcarthes; Maura descobre que sua família foi morta, e os seus vinhedos tomados, e ambos passam a morar na caravana. Beleghûn passa a ser chamado de Cúadan.

24- Os Orcs deixam Hiril próximo aos campos de lis.

25- O jovem Hobitt, Bungo, encontra Hiril e a ajuda; ela esta sob o encanto de esquecimento e não lembra nem como andar.

1977 TE: Fevereiro

9- Com o passar dos dias Hiril vai retornando a memória, então Celebeth, tenta se passar por irmão da nobre, mas é atrasado por Cerch Imbeliam, que o perseguia. Hiril retorna boa parte de sua consciência, e o elfo a envia para Lórien, em seu corcel Hamanulas; no caminho ela é perseguida por Celebeth e um dos espectros. Ela chega a Lórien, e encontra-se com Galadriel. Hiril está com o Soron-hén.

14- Passeio com Miriel, no vale do riacho escuro. Cerch captura Celebeth. Hiril conversa com Celebeth.

1977 TE: Março

1- Hiril decide destruir o Soron-Hén, comunica a sua decisão a senhora de Lórien; ela manda a dunadain procurar por mestre Elrond, pois ele pode destruir o anel, Cerch se oferece para acompanha-lá na viagem, Miriel diz a Hiril que Cerch nunca mais retornará desta viagem.

2- Hiril e Cerch partem de Lórien.

3- Acidente de Hiril no Passo do Chifre Vermelho, nas primeiras horas da manhã. Ao anoitecer encontro com Camlost.

9- Chegada a Valfenda. Encontro com Aranarth, e conversa com Mestre Elrond, o anel corrompe Hiril e ela decide não destrui-lo.

1977 TE: Maio

4- Banazîr resgata os cativos de Angmar, entre eles o pai de Maethor, Cyriatan.

1977 TE: Junho

3- Chegada de Ithron e Gilrhûn à Dorwinion, o mágico se estala os vinhedos da jovem.

9- Hiril parte de Valfenda na companhia de Cerch, levando o Soron-hén.

12- Hiril e Cerch foram emboscados no topo do vento; o elfo é morto durante o ataque, a nobre é salva por Banazîr, mas está gravemente ferida. O Soron-hén desaparece, alguns Orcs escapam.

19- Encontro de Hiril e Banazîr.

21- Hiril falece em Bri, Meneldir perdeu os seus dois filhos.

1977 TE: Agosto

5- Banazîr chega a Valfenda.

 1977 TE: Setembro

10- Primeira Viagem de Gilrhûn.

1978 TE: Janeiro

13- Casamento de Ithron e Gilrhûn.

26- Beleghûn e aceito permanentemente como membro da caravana do senhor Melcarthes.

1980 TE: Setembro

10- Segunda viagem de Gilrhûn.

11- Ithron passa a fazer treinos diários com Vendaval.

23- Banazîr chega a Lórien.

29- Miriel toma um barco em direção a Valinor.

 1983 TE: Setembro

13- Terceira viagem de Gilrhûn.

1985 TE: Junho

27- Nascimento de Adan Borgil, filho de Ithron e Gilrhûn.

1985 TE: Novembro

2- Ithron torna-se um mestre na arte da fabricação do vinho. O vinhedo da família passa a ter grandes lucros desde período em diante.

1987 TE: Janeiro

20- Celebeth escapa de Lórien.

22- Banazîr Parte em busca de Celebeth.

1987 TE: Abril

14- Banazîr chega aos Salões de Tranduil, e tem noticias de Beleghûn e Ithron.

21- Celebeth retorna a Angmar e recupera o Soron-hén, descobre os planos dos dunedains e o destino de Beleghûn.

1989 TE: Setembro

8- Quarta viagem de Gilrhûn.

1989 TE: Outubro

17- Celebeth chega às terras do Leste.

1992 TE: Setembro

16- Quinta viagem de Gilrhûn, segundo encontro com Celebeth.

1995 TE: Setembro

19- Sexta e última viagem de Gilrhûn. Terceiro encontro com Celebeth.

1997 TE: Abril

4- Celebeth encontra Gilrhûn em Dorwinion, e dar o Soron-hén de presente ao filho de Ithron.

1997 TE: Junho

21- Melcarthes envia 100 homens para o sudoeste, Beleghûn está entre eles. Último encontro de Beleghûn com Maura. Ithron conversa com Vendaval. O mágico tem seu último encontro com Maura, e descobre o destino do seu companheiro, e os planos do Deus rei, e envia uma mensagem a Beleghûn. Gilrhûn mata Maura; Ithron desvenda toda a trama da sua esposa e Celebeth, e descobre que Maura e pai de Gilrhûn. Ithron decide não participar da grande corrida do leste, mas envia seu filho para substitui-lo, o mágico parte de Dorwinion.

22- Beleghûn recebe a mensagem de Ithron, e decide prosseguir na caravana, e envia uma nova mensagem para o seu amigo. Ithron avista a caravana de Beleghûn, mas não consegue alcançá-la.

23- Ao amanhecer, Beleghûn parte em uma pequena comitiva liderada pelo II Tenente Beldar; a tarde a comitiva chega a cidadela dos mortos. Ithron persegue o seu companheiro. A noite Beleghûn e Ithron se encontram na cidadela, conhecem Niandro o Amaldiçoado, e são atacados por Lacatos o lobisomem.

24¬- Nas primeiras horas do novo dia, os viajantes vencem Lacatos. Beleghûn e seduzido pelo Soron-hên, Ithron toma o anel e parte, Beleghûn o persegue.

27- Banazîr tem informações de 100 homens armados em direção a floresta das trevas; o sábio envia uma mensagem a Thranduil.

1997 TE: Julho

10- Ithron encontra a caravana do sábio do deserto Hortus, e Banazîr que estava à procura dos viajantes. Beleghun encontra a Caravana e ambos têm uma longa conversa com Banazîr.

11- Reunião com hortus, Banazîr, Ithron e Beleghûn sobre a decisão da demanda. Ithron torna-se o guardião do anel, e Beleghûn partirá com Banazîr ao ataque a comitiva de Remmirath. Hortus envia batedores para localizar o exercito inimigo e convocar seus homens.

12- Retornam os batedores com a informação da localização do exercito inimigo.

13- Nova mensagem dos batedores. Chegada dos elfos da floresta das trevas.

14- Chegada de Seraphís o capitão dos homens de Hortus. Partida de Banazîr, Beleghûn, elfos e os homens de Hortus.

15- Nas primeiras horas da manhã combate com os homens de Remirath. Beleghûn é gravemente ferido. Ithron parte da comitiva.

17- Beleghûn retoma a consciência.

25- Banazîr e Beleghûn partem para a floresta das trevas.

1997 TE: Agosto

9- Chegada de Ithron a floresta das trevas, o Soron-Hên é destruído pelos elfos da floresta.

10- Ithron parte para Dorwinion.

19- Chegada de Banazîr e Beleghûn a floresta das trevas; os viajantes tem noticia de Ithron e da destruição do Soron-Hên.

22- Partida da Floresta das trevas.

1997 TE: Setembro

21- Chegada de Banazîr e Beleghûn a Gondor (Minas Anor).

22- Reencontro de Beleghûn e Sellithil, o sábio pede a sua amada em casamento.

29- Chegada de Ithron a Dorwinion, reencontro com Adan e Gilrhûn.

1997 TE: Outubro

1- Casamento de Beleghûn com Sellithil – a pedidos de Banazîr ao príncipe, o mesmo é realizado em cerimônia discreta na arvore branca.

7- Ithron se desfaz da vinícola e parte com a sua família para Bri.

 1997 TE: Novembro

27- Chegada de Ithron e família a floresta das trevas, reencontro com Radagast.

29- Partida de Ithron, Radagast e Familia para Bri.

1997 TE: Dezembro

25- Chegada a Bri. Radagast hospeda-se na casa de Ithron.

Aqui termina a história dos bravos dunedains que partiram para o leste em busca de descobrir o motivo que alimentava o ódio dos homens daquela terra, contra os homens do ponente. O que se sabe é que esses homens provaram o seu valor, ao arriscar a suas próprias vidas na busca de uma informação de vital importância para os reinos do oeste. O que descobriram ficaram no conhecimento dos sábios, mas logo os mesmos chegaram à conclusão que suas descobertas foram feitas tarde demais.

Notas

[1] Acredita-se que o pequeno grupo de Orcs tenha vindo pelo norte contornando as colinas do vesperturvo.

[2] O elmo-do-rei, é um dos artefatos antigos criados pólos anões de Belegost, ele é mais conhecido como o Elmo dragontino de Balegost.

[3] Apartir de Setembro de 1976 TE,  as histórias de Ithron, Maethor e Hiril começam a cruzar com as andanças de Banazîr.

[4] Na verdade era Celebeth que estava disfarçado de Aranarth. Aproveitando o ensejo de a jovem nunca ter visto o descendente de Isildur.

[5] Esta pertencia ao seu irmão, e continha os retratos da nobre e de sua mãe.

[6] Apartir de novembro o destino de Beleghûn, cruza com os de Banazîr e Ithron.

[7] Presente de Hortus, o sábio do deserto, para Ithron.