Resenha: Jovian Chronicles

JC-CoverJá ouviram falar de Jovian Chronicles? É um RPG da editora Dream Pod 9, cujo título podemos traduzir como “Crônicas Jovianas” (em referência ao planeta  planeta Júpiter, ao redor do qual giram as estórias do cenário). A editora, especializada em jogos de simulação estratégica de combate entre mecha (no estilo Battletech), publicou este RPG em 1992 como um par de módulos licenciados do RPG Mekton, da R. Talsorian Games (que, entre outras coisas, publica o Cyberpunk 2020). Em 1997, eles publicam o RPG novamente, desta vez com seu próprio sistema de regras (chamado de Silhouette) e acompanhado de uma série de expansões do cenário, detalhando suas facções políticas, povos (não há alienígenas) e os planetas do Sistema Solar, onde habita a humanidade, além de variadas naves espaciais, ferramentas, armas, e é claro, mecha.

O visual dos mecha, naves espaciais e personagens de Jovian Chronicles foi desenvolvida por Ghislain Barbe, ilustrador profissional que já havia trabalhado anteriormente para a Dream Pod 9 em RPGs como Tribe 8 e Heavy Gear (este último também de Mecha e um antecessor de Jovian Chronicles). O design final tem uma forte influência de anime, como Battletech e Gundam, tendo tecnologias de Hard Sci-Fi (uma corrente de ficção científica que tenta contar estórias usando as regras científicas conhecidas) como falta de gravidade artificial e viagem mais rápida que a luz.

O Cenário

JC-MechaEm meados do Século XXI, a Terra alcança a marca de 20 bilhões de habitantes, fazendo com que o planeta entre em um colapso social, ecnonômico e político. Começa então o êxodo para as colônias de mercúrio, Vênus e Marte, que há décadas estavam em processo de terraformação, sendo adaptadas para a vida humana. Armada com várias tecnologias médicas, de produção de energia e de engenharia, a humanidade adentra a fronteira do espaço e começa a povoar o Sistema Solar, expandindo-se até o Cinturão de Asteroides e os satélites de Júpiter. Ao final do Século XXI, o governo geral da Terra, uma evolução das Nações Unidas, escapa da turbulência planetária que o lar da humanidade se tornou e instala-se no Cinturão de Asteroides, unindo-se às antigas colônias que declararam sua independência e formam a União das Nações do Espaço.

Cem anos depois, em 2180, um novo poder emerge na Terra — conhecido como Governo e Administração Central da Terra — e entra em conflito com suas colônias para retomar seu laços e seus domínios. É aqui que o cenário de Jovian Chronicles começa:

  • Mercúrio: o planeta mais quente no Sistema Solar, usado inicialmente como fonte de energia e recursos, tornou-se rapidamente o centro de transportes de carga para e sede da Guilda Mercantil. Sua posição os mantêm em neutralidade em relação aos outros poderes solares.
  • Terra: após recuperar-se das Guerras de Unificação, o Governo e Administração Central da Terra desenvolve seus planos expansionistas e seus cidadãos têm dificuldade em entender que as colônias não vêem a Terra mais da maneira como costumavam.
  • Orbitais: tendo milhões de habitantes oriundos de inúmeras etnias e culturas da Terra, as estações que orbitam os pontos Lagrange (órbitas fixas entre a Terra e a Lua) estão novamente sob o domínio do planeta-mãe, mas ainda lembram do período quando a Terra era só devastação sob seus pés.
  • Lua: como os Orbitais, a Lua está novamente sob controle da Terra. Possuem várias cidades adaptadas para produção industrial e uma cultura de trabalho que desncoraja a individualidade em favor da sobrevivência, algo necessário durante os difíceis anos após a Queda.
  • Marte: depois de longos anos de guerra, Marte dividiu-se em uma tensa guerra fria, com a Federação Marciana de um lado — um estado totalitário que apóia o novo governo da Terra — e do outro, a República Livre de Marte, que tende a apoiar a Confederação Joviana.
  • Cinturão de Asteroides: lar daqueles que procuraram afastar-se da sociedade humana pós-queda da Terra e que buscaram forjajr sua própria cultura e estilo de vida, criando bases em asteroides escavados, com vários grupos de isolacionistas e fanáticos.
  • Júpiter: o foco principal deste RPG, é o lar da Confederação Joviana, da qual fazem parte três habitats na órbita de Júpiter. Por sinal, são também o único poder no Sistema Solar capaz de confrontar a força militar da Terra e também de impedir politicamente este conflito.

As Regras

JC-CharatersO sistema Silhouette usa um modelo relativamente simples de Atributos e Perícias, onde o valor das perícias determina o tamanho de sua pilha de dados (usando apenas d6) e os atributos, modificadores para esta pilha (ou seja, alguém com o Atributo de Agilidade 2 e a Perícia Mecânica 4, vai rolar 4 dados e adicionar 2 ao resultado). A dificuldade da ação é definida pelo número-alvo da rolagem (que vai de 1 a 12 ou mais), onde considera-se apenas o dado de valor mais alto — e para cada vez que sair um resultado com 6, adiciona-se +1 ao resultado final.

Temos oito atributos (Agilidade, Aparência, Constituição, Criatividade, Resistência, Influência, Conhecimento, Percepção, Psique e Vontade),  e uma variedade de perícias (classificadas como simples ou complexa), todas adquiridas em um sistemas de compras através de pontos. Características secundárias (como Força e Saúde) surgem da associação de alguns Atributos. Com isso, os personagens são fáceis e rápidos de construir. O livro conta ainda com vários modelos de personagens para facilitar ainda mais o processo. As opções incluem tipos variados, como pilotos de mecha (obviamente), mineradores de asteroides, mercadores interplanetários, operários, artistas itinerantes, mercenários, diplomatas e muitos outros.

E sim, não há alienígenas, embora toda a variedade do gênero humano esteja bem representada.

No fim das contas

jovian-chroniclesSe você é fã de Mecha, de sistemas simples de RPG que são robustos o bastnate para lidar, simultaneamente, com ações de personagens em várias escalas e com material o suficiente — apenas levando em conta o livro básico — para desenvolver sua própria campanha e jogar por anos, não deixe passar esta oportunidade.

Jovian Chronicles se mostra como um RPG ligeiramente datado, mas com um sistema versátil e resistente a abusos, funcionando tanto no nível de personagens como no de combate entre espaçonaves nas profundezas do espaço. O cenário, contudo, é sua maior virtude: com qualquer RPG hard sci-fi, ele envelhece melhor que alguns de seus contemporâneos, e não é difícil de encontrar cópias deles online, embora o preço talvez seja meio salgado (e em dólares).

Graficamente, o livro é uma pequena obra de arte, com belas ilustrações (sempre pertinentes ao conteúdo do texto), uma diagramação clara, precisa e eficiente e cheia de exemplos úteis para resolução das regras e criação de personagens. Embora o cenário tenha algumas limitações (devido ao espaço), há muita informação sobre os vários planetas do sistema solar, sua política, cultura e economia, bem como suas relações com as várias organizações interplanetárias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s